Veja quais são as mais famosas cachoeiras em MG que você deve conhecer

11 minutos para ler

Conheça algumas das cachoeiras mais famosas de MG e programe a próxima viagem para se refrescar na natureza

1. Introdução

Está sentindo o cheirinho de café passado na hora, de pão de queijo quentinho saindo do forno? Estamos chegando em Minas Gerais, o estado com maior extensão territorial do Brasil.

A grandeza do seu território é compatível com o que Minas tem a oferecer em relação ao turismo. Quem vai pra lá — seja para descansar, seja para visitar as origens, seja para turistar — tem grandes oportunidades de fazer um roteiro turístico memorável.

É sobre isso que vamos falar neste post. Separamos as melhores cachoeiras em MG para você aproveitar em sua próxima viagem. Embarque conosco, vamos lá!

2. Natureza em Minas Gerais

Sabe aquela música “era uma vez, um lugarzinho no meio do nada, com sabor de chocolate e cheiro de terra molhada”? Poderia tranquilamente descrever a sensação que é ir para Minas Gerais.

As cidades do interior de MG são como verdadeiros refúgios para quem deseja se conectar com a natureza, dar um tempo na vida corrida, respirar ar puro e sentir o cheirinho de terra molhada.

Não é à toa que o estado foi eleito o melhor destino histórico e de natureza do Brasil, segundo pesquisa realizada pelo Datafolha. São quase 2 milhões de hectares de mata atlântica, cerrado e caatinga à disposição dos turistas em áreas de proteção ambiental, parques e estações ecológicas, além dos monumentos naturais — como as cachoeiras.

3. Cachoeiras mais famosas e visitadas do estado

O portal da Secretaria do Estado de Minas Gerais tem 64 cachoeiras registradas. E nós separamos uma lista com as mais famosas e visitadas do estado para você incluir no roteiro da sua próxima viagem em família.

3.1. Cachoeira da Fumaça em Uberlândia

Se a sua próxima viagem em família é para Uberlândia ou proximidades, vale a pena inserir a Cachoeira da Fumaça no roteiro.

Também conhecida como Cachoeira Rio Claro, ela está localizada na cidade de Nova Ponte, à distância de 60 km de Uberlândia. Fica um pouquinho distante da capital Belo Horizonte, a cerca de 400 km, mas nada que uma viagem de ônibus para você chegar lá, certo?

A cachu não é só para relaxar e recuperar as energias. Lá, rolam algumas atividades radicais, como rapel e tirolesa.

Mesmo que você não seja adepto aos esportes de aventura, vale a pena conhecer. Sua beleza é de tirar o fôlego.

A queda d’água de 60 metros de altura produz um volume de água tão grande que a fumaça pode ser vista da estrada à distância de mais de 300 metros. Inclusive, é daí que veio o seu nome. Para chegar pertinho dela, é necessário fazer uma trilha em meio a mata.

3.2. Cachoeira da Parida em Sacramento

Sacramento é uma pequena cidade em Minas Gerais, localizada na microrregião de Araxá, próxima de Uberaba e da divisa com o estado de São Paulo.

Escolhemos falar sobre a Cachoeira da Parida, mas antes disso, é importante que você saiba que são mais de 200 cachoeiras catalogadas na cidade.

O visual da Cachoeira da Parida é bastante típico: um poço de água verde-esmeralda aos pés de uma parede rochosa, abrigando uma queda de 15 metros de altura. Vale a pena o passeio!

3.3. Cachoeira do Tabuleiro de Conceição do Mato Dentro

Conceição do Mato Dentro é uma das típicas cidadezinhas do interior mineiro. São menos de 20 mil habitantes em uma cidade pacata, que abriga a grandiosidade da terceira maior cachoeira do Brasil: a Cachoeira do Tabuleiro.

São 273 metros em queda livre, em um paredão rochoso de tirar o fôlego. O local está preservado pelo Parque Natural Municipal do Tabuleiro.

Além da majestosa cachu, em Conceição do Mato Dentro você também encontra:

  • Cachoeira Congonhas (também chamada de cachoeira Zé Cornicha);
  • Cachoeira de São Miguel;
  • Cachoeira do Roncador de Cima.

A cidade também é considerada a Capital Mineira do Ecoturismo, em razão da oferta de belezas naturais. Chegar lá é relativamente fácil, já que se localiza a menos de 200 quilômetros da capital — nada que uma rápida viagem de ônibus não resolva em poucas horas.

Os meses de setembro a outubro podem ser uma boa escolha para os viajantes. A temperatura média fica na casa dos 22 graus, com máximas de 38 e índice razoável de chuvas.

3.4. Cachoeiras dos Cânions de Capitólio

Independentemente das cachoeiras, verdade seja dita: as paisagens de Capitólio fazem valer a pena viajar de ônibus e passar as férias lá.

A cidade é um dos pontos turísticos mais visitados de Minas Gerais. O motivo? Seus cânions, o lago de Furnas e a Cachoeira dos Cânions, uma queda de 50 metros de altura que desce pelos paredões rochosos e acaba em um lago de água verde-esmeralda.

Chegar até ela é outro espetáculo à parte, já que você precisa ir de barco ou escuna. A cidade é um dos destinos mais procurados de Minas Gerais, portanto, o que não faltam são atrações para que você desfrute de uma ótima viagem.

3.5. Cachoeira Véu da Noiva na Serra do Cipó

O Parque Nacional da Serra do Cipó é um destino bastante acessível quanto à localização, graças à proximidade com Belo Horizonte. 

A Serra do Cipó é um pequeno distrito mineiro com cerca de 2 mil habitantes. Não se engane com a pequenez dos dados demográficos: o distrito é a principal porta de entrada para o Parque Nacional da Serra do Cipó, que abriga dezenas de trilhas, morros, montanhas, cânions, cachoeiras, piscinas naturais e paisagens com águas cristalinas. O parque também concentra uma das maiores biodiversidades do mundo.

É lá, entre paredões de rochas, ora cinzas, ora amareladas pela luz do sol, que se encontra a cachoeira Véu da Noiva, uma queda d’água com 70 metros de altura e três piscinas naturais — sendo uma liberada para banhos.

3.6. Cachoeira da Naná em Morro do Pilar

Morro do Pilar é uma cidade que mescla as belezas naturais com um passado histórico incrível, já que surgiu em 1701 com a descoberta do ouro. Por isso, quando você não estiver em meio à natureza, pode investir na rota histórica, visitando igrejas e ruínas da primeira fábrica de ferro do Brasil.

Mas vamos ao que interessa: a Cachoeira da Naná. Você precisa fazer 1 hora de caminhada, partindo da portaria do Sítio Santo Antônio, propriedade particular que abriga a cachoeira, para chegar ao local onde a queda está situada.

O lugar abriga aqueles que estão em busca de esportes radicais ou de descanso. A prática do rapel é bastante apreciada pelos turistas de aventura, enquanto um poço raso ao lado esquerdo da cachoeira permite que os visitantes se banhem em segurança contemplando uma vista única de uma queda d’água de 95 metros de altura.

Antes (ou depois) de viver essa experiência, você e sua família podem visitar a Estátua do Juquinha, um simpático monumento sem grandes explicações sobre quem é o homenageado ou o porquê dele estar lá.

Mesmo que sua visita seja no verão, leve um casaco. A altitude e a ventania fazem com que as temperaturas sejam mais baixas do que na cidade. 

3.7. Cachoeira Grande na Serra do Cipó

A trilha que leva à Cachoeira Grande não é nada complicada. Apenas 1 quilômetro separa a portaria da propriedade Zareia da queda d’água de 38 metros de altura.

O caminho facilitado e de fácil acesso atrai centenas de visitantes. A infraestrutura conta com banheiros e é cobrado ingresso de cada visitante.

No entanto, o turista tem acesso a apenas um dos lados do seu paredão, já que o outro faz parte de outra propriedade que não está aberta à visitação.

3.8. Cachoeira Casca D’Anta na Serra da Canastra

O circuito turístico da Serra da Canastra contempla 11 cidades:

  • Araxá;
  • Bambuí;
  • Campos Altos;
  • Ibiá;
  • Medeiros;
  • Perdizes;
  • Sacramento;
  • São João Batista do Glória;
  • São Roque de Minas;
  • Tapira;
  • Tapiraí.

Na cidade de São Roque de Minas está a nascente do Rio São Francisco e a Cachoeira Casca D’Anta, com nada mais, nada menos, que uma queda d’água de 186 metros de altura!

Embora o assunto desse material sejam as cachoeiras em MG, não dá para citar Minas e a Serra da Canastra sem falar no famoso queijo produzido na região.

O passeio realmente pode surpreender. Além das paisagens naturais, uma queda de quase 200 metros de altura, terminar o dia petiscando um queijo delicioso com doce de leite ou goiabada é de aquecer o coração, uai!

3.9. Cachoeira do Crioulo no Parque Estadual do Rio Preto

A Cachoeira do Crioulo fica no Parque Estadual do Rio Preto, em São Gonçalo do Rio Preto, Jequitinhonha. Mais um município pequenino, com pouco mais de 2 mil habitantes, mas que não deixa a desejar nos quesitos hospitalidade mineira e belezas naturais.

São 30 metros de água limpa, com cor de conhaque, rodeados por uma areia branca. Os visitantes podem relaxar, mergulhar e até observar os peixinhos que nadam por ali — paisagem que costuma agradar às famílias, especialmente as crianças.

Entretanto, é preciso algum esforço para chegar ao local, já que são 2 horas e meia de caminhada na companhia de um guia de turismo. Se tiver chovendo, o passeio vai por água abaixo: não é permitido visitar o local em dias de chuva.

Estude as temporadas de chuva do município antes de pegar a estrada até lá, ou reserve alguns dias a mais no calendário. Afinal, se não der para relaxar e recarregar as energias na água da cachu, você encontra o aconchego típico do interior mineiro em qualquer lugar onde se hospedar. Aproveite!

3.10. Outras cachoeiras

A nossa lista sobre as cachoeiras mais incríveis de MG ainda não acabou! Sobrou mais um pãozinho de queijo aí? Então acompanhe a última leva de sugestões para acrescentar ao roteiro quando você for a Minas:

  • Cachoeira Paraíso Perdido (São João Batista do Glória) — uma das atrações que compõe o complexo Paraíso Perdido, que conta com 18 piscinas naturais, 8 quedas de águas límpidas e cristalinas e pedras de quartzo;
  • Cachoeira da Jiboia (Unaí) — uma queda de impressionantes 140 metros de altura que pode valer a pena uma visita no inverno, quando suas águas adquirem um tom esverdeado;
  • Cachoeira Esmeralda (Carrancas) — localizada à distância de apenas 8 quilômetros do centro da cidade, a cachoeira de cor esmeralda forma um complexo de piscinas naturais. A cidade conta com mais de 70 cachoeiras catalogadas. Por esse motivo, é conhecida como a “terra das cachoeiras”;
  • Cachoeira da Janela do Céu (Parque Estadual de Ibitipoca) — mais que uma cachoeira, a Janela do Céu é considerada um mirante com borda infinita e águas douradas. A cachoeira fica a 1800 metros de altura e tem uma queda de 20 metros. O acesso não é tão fácil, já que são 8 quilômetros de trilha para chegar até lá. O caminho é cheio de atrativos e, ao final, a moldura natural da paisagem vale a pena.

4. Conclusão

Chegamos ao final da nossa lista com as melhores cachoeiras em MG! Esperamos que você tenha aproveitado nossas dicas e se animado para organizar o roteiro das próximas férias.

Como você pôde perceber, há opções para todos os gostos, espalhadas por todo o estado de Minas Gerais. No entanto, uma coisa é certa: seja qual for a sua escolha, você viverá momentos incríveis de contato com a natureza.

Os dias podem ser tranquilos ou radicais — isso vai depender do seu perfil e da sua família. Só fique atento a uma questão muito importante: quando viajar!

A melhor época para viajar e curtir as cachoeiras, sem dúvida, é quando as temperaturas estão mais altas e as chuvas são escassas. Em épocas chuvosas, trilhas e cachoeiras podem não oferecer toda a segurança que você e sua família precisam para ter uma viagem tranquila e agradável.

No caso de Minas Gerais, na maior parte do território, as chuvas acontecem de outubro a março. Portanto, fique de olho na previsão do tempo antes de decidir qual o melhor momento para conhecer as cachoeiras em MG e faça uma boa viagem!

Gostou do nosso conteúdo e quer continuar recebendo dicas tão incríveis quanto essas? Siga nosso perfil nas redes sociais! Estamos em várias plataformas, escolha a sua favorita: Facebook, Instagram, YouTube, LinkedIn e Twitter

Posts relacionados