Rio de Janeiro: 455 anos de muita cultura e brasilidade

Rio de Janeiro: 455 anos de muita cultura e brasilidade

Ontem, 01 de março, o Rio de Janeiro completou 455 anos, mas, de que forma sua história impacta o Brasil e o que as terras cariocas têm de tão diferente? Entenda!

O dia 01 de março tem significado especial, afinal, é o dia em que uma das mais importantes cidades do Brasil, o Rio de Janeiro, faz aniversário. A cidade maravilhosa acaba de completar 455 anos muito bem vividos. Afinal, muitas águas já rolaram pela Baía de Guanabara e muita história importante foi vivida em solo carioca. 

História

Tudo começou em 1502, quando o explorador português Gaspar Lemos avistou a Baía de Guanabara e batizou a cidade como Rio de Janeiro. Contudo, sua fundação aconteceu apenas em  1 de março de 1565, quando os portugueses, liderados por Estácio de Sá, fundaram e ocuparam a cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, em resposta a ocupação francesa que havia sido iniciada. 

Comandados por Estácio de Sá, os portugueses travaram um conflito com os franceses, o que culminou na expulsão dos mesmos em 1567. Com o tempo, o Rio foi se tornando a principal cidade do país. Foi sede do Império, capital brasileira e viveu uma era de ouro. 

Bom, mas essa história é conhecida, não é? E para um carioca, o que é o Rio de Janeiro e o que a cidade tem de diferente?

Continue a leitura e entenda.

Leia também: Com Bartucada, Carna Buser leva mais de 200 mil às ruas de BH

Terra do samba e da cultura popular

Nascido marginal, nos morros e periferias da cidade, o samba já foi mal visto pelos brasileiros, mas foi ganhando força e se tornando, talvez, um dos ritmos mais democráticos que temos. O samba, que antes tinha cor e Cep, hoje é nacional e motivo de orgulho de norte a sul. E não é só de samba que se faz a cultura carioca, diversos ritmos genuinamente brasileiros nasceram na cidade, como a Bossa Nova, o Funk, o Chorinho, entre outros.

Para quem curte um samba, chorinho e gafieira, vale muito a pena visitar uma das casas da Lapa, bairro que é um ícone da boemia carioca.

Ma o samba não vive só na zona sul, o samba é do Rio. “O espaço que o samba tem na cidade é tão incrível que você encontra, em plena segunda feira, o Samba do Trabalhador, que acontece no Andaraí e é lotado. Ele junta todos os ‘clãs’ num mesmo espaço de harmonia gerado pela música”, pontua  Isabelle Castillo, relações públicas e carioca da gema.

imagem do samba do trabalhador no bairro de Andaraí, Rio de Janeiro
O Samba do Trabalhador reúne todo tipo de pessoa em um ambiente de muita energia e música boa no bairro do Andaraí (Imagem: divulgação)

Visitar o Rio é, certamente, conhecer uma cidade que respira cultura, que exalta o seu povo, mas é, também, visualizar de forma muito intensa a diferença. Porém, na praia todo mundo se encontra. Pelo menos é o que acredita Isabelle. “A praia carioca é o lugar mais democrático que existe. Tem rico, pobre, brancos e negros, turista, religioso, bicheiro, ou seja, tem de tudo e estão todos com pouca roupa, suados e dividindo a areia e o mar. Sem guerra, sem briga e sem dor”, declara.

Vai visitar o Rio? o que você não pode perder!

Dizem que para conhecer um lugar de verdade a gente precisa seguir as dicas dos locais. Afinal, talvez o Rio de Janeiro seja o destino turístico mais famoso do país. São praias para perder de vista; o Cristo Redentor; o Pão de Açúcar; a praia de Copacabana, enfim, são muitos pontos icônicos, mas que todo turista visita.

Sendo assim, para Isabelle Castilho, conhecer o Rio de Janeiro de verdade envolve “comer bacalhau na Cadeg,  curtir uma roda de samba na Pedra do Sal, passar uma manhã passeando pelos ateliês de arte em Santa Tereza e aproveitar o fim da tarde pegando uma praia no Arpoador com o pôr do sol mais lindo do mundo. Isso é o mínimo que eu espero de um bom turista que quer fugir do basicão Cristo e Pão de Açúcar”, acrescenta.

Mulher, Isabelle Castillo, visivelmente grávida na praia do Arpoador
Isabelle em um dos seus lugares preferidos do Rio, a praia do Arpoador, quando estava grávida do seu filho Júlio, hoje com 4 anos (Imagem: arquivo pessoal)

O jeito carioca de ser

Mas o que é ser carioca? É ter a famosa “malandragem”? Para Isabelle é muito mais do que isso, é ser apaixonado. “Ser carioca é defender a cidade até o último segundo mesmo sendo contra tudo o que acontece por lá. Só o carioca pode falar mal do Rio, ai de quem ousar reclamar!”.

Vista do Museu do Amanhã no pôr do Sol
Vista do pôr do sol no Museu do Amanhã, localizado na região central do Rio de Janeiro. Para Isabelle, o centro do Rio é das regiões mais icônicas da cidade, com caos, cultura urbana, museus e, ainda, mar (Imagem: Isabelle Castillo)

E aí, que tal conhecer tudo de bom que o Rio tem a nos oferecer? Confira os grupos da Buser formados para a cidade maravilhosa e aproveite. Acesse AQUI

Comments are closed.