Tag: Buser

O Sul não pode retroceder

O Sul não pode retroceder

Apesar dos avanços promovidos por empresas de tecnologia como a Buser na mobilidade interurbana, decisões judiciais podem impedir o funcionamento da empresa na região. Entenda.

Em meio a uma das maiores crises mundiais de saúde da história, pedimos licença para trazer a você outro tema: o futuro do transporte interurbano no Sul do Brasil está ameaçado. Na contramão de outras regiões do país, processos em tramitação no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) contra a Buser e suas parceiras podem impactar a vida de mais de 11 milhões de pessoas no Sul.

Decisões como essas podem afetar profundamente o seu direito à mobilidade e nosso dever é informar você. Saiba, a seguir, quem é a Buser e como isso pode afetar a vida dos sulistas.

Inovação e democratização do transporte

A Buser é uma empresa de tecnologia que está trabalhando, com uma série de empresas transportadoras parceiras, para democratizar o transporte interurbano no Brasil com viagens de ônibus mais baratas, confortáveis e seguras. Já são mais de 2 milhões de usuários no Brasil e outras regiões do país já economizaram, juntas, R$150 milhões de reais viajando com a Buser somente nos últimos dois anos.

Tecnologias como a Buser e de outros aplicativos de mobilidade urbana revolucionam a maneira como as pessoas se movimentam e viajam pelo país, fortalecendo a liberdade de escolha e, principalmente, suprindo a necessidade de transporte acessível e eficiente.

Processos que ameaçam o progresso

Algumas ações judiciais na região sul defendem que essas inovações proporcionadas pela Buser sejam qualificadas como transporte clandestino. O Tribunal Regional Federal da 4ª Região tem decisões em suas mãos que podem garantir a vitória da liberdade de escolha dos cidadãos, sendo a primeira delas a ser tomada 14 de julho.

A Buser oferece viagens de ônibus com preços menores, mais conforto e mais segurança e essas decisões podem atrapalhar o desenvolvimento de mais de 60 cidades no Sul do Brasil que somadas possuem população superior a 12 milhões de pessoas. Ao todo, serão mais de 5.000 km de rodovias do sul onde a mobilidade do futuro pode não chegar.

Além de atrapalhar a conexão das capitais do Sul com o restante do Brasil, a proibição da Buser afetaria internamente a liberdade de escolha por um transporte mais democrático com partida ou destino para cidades como as listadas a seguir.

CIDADES MAIS AFETADAS

Rio Grande do Sul:

  • Porto Alegre
  • Caxias do Sul
  • Pelotas
  • Rio Grande
  • Santa Maria
  • Capão Redondo
  • Torres
  • Passo Fundo
  • Santa Rosa
  • Uruguaiana
  • Bento Gonçalves
  • Santiago
  • São Borja
  • Santana do Livramento
  • Cachoeira do Sul
  • Bagé
  • Vacaria
  • Lajeado
  • Santa Cruz do Sul

Santa Catarna:

  • Florianópolis
  • Balneário Camboriú
  • Joinville
  • Blumenau
  • Criciúma
  • Tubarão
  • Lages
  • Rio do Sul
  • Joaçaba
  • Chapecó
  • Concórdia
  • Xanxerê
  • São Bento do Sul
  • Mafra

Paraná:

  • Curitiba
  • Londrina
  • Maringá
  • Ponta Grossa
  • Paranavaí
  • Arapongas
  • Cascavel
    Foz do Iguaçu
  • Guarapuava
  • Francisco Beltrão
  • Pato Branco
  • Campo Mourão

Decisões judiciais favoráveis

Vale ressaltar que outro processo movido pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado de São Paulo (SETPESP), de tom semelhante, foi vencido pela Buser. 

Leia também: Buser ganha ação movida por sindicato das empresas de transporte de passageiros, em São Paulo

Na sentença, o Juiz Tom Alexandre Brandão entendeu que o serviço oferecido pela Buser é de intermediação entre empresas transportadoras e passageiros, como mostra o trecho a seguir: “A ré promove, em realidade, uma aproximação de forma extremamente qualificada entre os passageiros e as empresas que são autorizadas a prestar serviços de fretamento particular; mas isso não se confunde, friso, com linhas regulares de transporte intermunicipal tradicionalmente realizadas em rodoviárias. A ré catapultou as possibilidades de interação entre passageiros e as empresas que prestam serviços de fretamento, alterando de forma significativa esse mercado de transporte coletivo (…)”.

Aval do STF

O próprio Supremo Tribunal Federal (STF) já se impediu, em decisão do Ministro Edson Fachin, que processos locais em que a Buser vinha obtendo vitórias importantes fossem revertidos.

A conquista favorável à Buser em São Paulo e outros estados evidencia que a justiça  já compreendeu que nós oferecemos um serviço legal e fundamental. Sendo assim, o Sul do Brasil não pode retroceder. 

A Buser acredita que conectar o Brasil é conectar as pessoas e convida a população do Sul para debater a mobilidade interurbana a fim de que a região continue no caminho da liberdade de escolha, da inclusão e da tecnologia.

Acompanhe todas as novidades sobre esse caso no Blog da Buser. Até breve!

Buser volta a conectar 17 destinos com o retorno da operação

Buser volta a conectar 17 destinos com o retorno da operação

Com a volta gradativa da operação da Buser, 17 destinos já estão sendo conectados pelo Brasil. Acompanhe as atualizações da retomada operacional 

Desde o dia 26 de junho, a Buser tem retomado gradativamente a sua operação intermediando viagens entre 17 cidades para atender as pessoas que precisam viajar, apesar da pandemia. A volta das atividades tem sido feita de acordo com a flexibilização do isolamento social em algumas regiões do país. Listamos, a seguir, os trechos onde retomamos os destinos onde a Buser retomou sua operação.

Leia também: O que é a Buser e o que a diferencia das empresas tradicionais?

Conheça os trechos reabertos

Até o momento, estamos com reservas abertas para grupos de viagem em 11 trechos, conectando 17 cidades. Confira:

Vale ressaltar que estamos atentos a quaisquer mudanças no cenário. Eventualmente, essas mudanças podem interferir na continuidade da operação da Buser em destinos específicos, mas, caso isso aconteça, comunicaremos nossos clientes de maneira adequada. Além disso, lembramos que temos políticas flexíveis para cancelamento de reserva e reembolso integral, sem multas ou taxas..

Novos protocolos de segurança

A Buser tem um compromisso constante com a segurança e a experiência de seus usuários. Dessa forma, neste momento de retomada das operações em um contexto de pandemia da Covid-19, a nossa preocupação com segurança tem sido ainda mais intensa Confira alguns dos nossos novos protocolos:

Máscaras

De acordo com as novas diretrizes de saúde, é obrigatório o uso de máscara nas viagens para a segurança de todos. Sendo assim, reforçamos a necessidade de que nossos usuários levem suas próprias máscaras esterilizadas para viajar, com trocas de 3 em 3 horas. 

Álcool gel 70%

A Buser irá oferecer, também, álcool gel 70% de brinde para que os nossos usuários possam higienizar as mãos com segurança sempre que acharem necessário ao longo das viagens. Também haverá dispenser com álcool gel ativado pelo pé em alguns pontos de embarque. Na entrada dos ônibus e dos banheiros, as empresas parceiras também irão alocar outros dispensers com álcool gel.

Medição de temperatura

Todos os usuários terão suas temperaturas medidas por termômetros infravermelho. Passageiros com temperatura até 37,8º poderão embarcar.

Ocupação das poltronas da janela 

Para garantir que os usuários não viagem próximos uns dos outros, ocuparemos apenas as poltronas da janela e limitaremos as vagas disponíveis para reserva no ônibus. Assim, iremos garantir mais espaço entre as pessoas, como recomendam os órgãos mundiais de saúde.

Cabines de desinfecção

Em alguns pontos de embarque estará disponível uma cabine de sanitização individual que higieniza as pessoas que entram nela (uma por vez). Um sensor detecta a presença da pessoa e aciona a pulverização que dura 4 segundos. Isso tornará a viagem de todos ainda mais segura.

Reforço na limpeza

As transportadoras parceiras farão mudanças no processo de higienização dos ônibus após cada viagem realizada, incluindo estofados e encosto de cabeça, utilizando produtos aprovados e indicados pela Anvisa. Estamos acompanhando constantemente as diretrizes dos órgãos de saúde para a melhoria do processo a qualquer momento.

Marcações na fila de embarque

Para garantir organização e segurança na hora do embarque, haverá uma marcação no chão de alguns pontos de embarque com maior fluxo de pessoas. A marcação deverá ser respeitada por todos os usuários para que não haja proximidade entre as pessoas e aglomeração.

Motoristas fora do grupo de risco

Apenas motoristas fora do grupo de risco (idade ou doenças prévias) estão autorizados a fazer viagens intermediadas pela plataforma. 

Quer viajar de forma segura? Então vá de Buser. Clique no botão abaixo e faça a sua reserva.

Acompanhe o Blog da Buser e fique atualizado quanto a reabertura de novos trechos.

Até breve!

O que é a Buser e o que a diferencia das empresas convencionais?

O que é a Buser e o que a diferencia das empresas convencionais?

Tem dúvidas sobre o que é a Buser, como o app funciona e por que é diferente dos ônibus das rodoviárias? Então conheça os diferenciais da Buser frente às demais empresas 

Já pensou em viajar de um jeito mais barato, mais confortável, mais seguro e mais prático, tudo ao mesmo tempo? Pois essa opção já existe e Buser nasceu para ser um novo jeito de viajar de ônibus pelo Brasil. 

Para começar, a Buser não é uma empresa de ônibus, e sim uma plataforma de fretamento colaborativo. O que isso significa? Quer dizer que fazemos a intermediação de viagens entre os nossos clientes interessados em irem para o mesmo trecho e as empresas de fretamento executivo. Unimos quem quer viajar para o mesmo destino com as empresas de fretamento que buscam passageiros e todos ganham.

quatro pessoas alegres de gêneros diferentes mostrando na imagem o que é a Buser e como viajar

São os fatores: preço, conforto, segurança e praticidade que nos distanciam do jeito tradicional de viajar. Quer entender mais sobre o que torna a Buser tão diferente? Então, continue a leitura!

Leia também: Coronavírus e viagem — como viajar de ônibus com mais segurança durante a pandemia?

Mais barato

Você sabia que viajar de Buser é até 60% mais barato quando comparado ao preço médio das passagens de ônibus de empresas tradicionais? As empresas de ônibus praticam preços abusivos, porém, tabelados. Assim, não há muita diferença nos valores entre as empresas e faltam opções com preços razoáveis para os clientes. Na Buser, as viagens são mais baratas e não há cobrança de taxas e serviços adicionais no valor do rateio.

Mais confortável

Conforto é fundamental para que seja possível descansar ao longo da viagem de ônibus. Viajar pelas empresas tradicionais no Brasil, hoje, pode significar pagar caro por uma viagem desconfortável. Há pouca oferta de assentos leito e cama e, quando há, os preços são inacessíveis para a maioria das pessoas. 

Na Buser, você viaja de ônibus cama, leito ou semi-leito, que são bem mais confortáveis que os convencionais ou executivos, mas pagando muito mais barato que assentos ruins comprados na rodoviária.

Mais seguro

Vamos fazer um exercício? Pense nas suas viagens de ônibus da década de 90 e início dos anos 2000 (se tiver idade para isso). Agora, pense como é hoje. As empresas que estão aí desde sempre pouco evoluíram no quesito segurança, não é? 

A Buser é uma empresa que se preocupa com a segurança de seus usuários e adquiriu ou desenvolveu, junto com as transportadoras parceiras, diversas tecnologias para tornar as viagens muito mais seguras, como:

  • Câmeras de fadiga: tecnologia que que detecta o nível de cansaço dos motoristas; 
  • Sensores de cinto de segurança: tecnologia exclusiva que produz alertas sonoros e luminosos para indicar passageiros sem cinto;
  • Telemetria  — sistema controla a velocidade dos ônibus e gera dados em tempo real monitorados por uma equipe de segurança 24h por dia.

Além disso, todas as empresas e motoristas são certificados pelos órgãos competentes e o seguro de vida é incluso no valor do rateio, sem taxas para os viajantes.

Ainda mais segurança durante a pandemia

Durante esse período tão difícil em que estamos vivendo no Brasil e no mundo, a Buser renovou seus protocolos para proporcionar ainda mais segurança para seus clientes. 

A partir do dia 26 de junho, quando as operações da empresa serão retomadas, as viagens serão realizadas com uma série de mudanças. Entre elas:

  • Ocupação apenas das poltronas da janela para manter mais distância entre os viajantes; 
  • Todos os passageiros das empresas parceiras receberão álcool gel 70%; antes do embarque;
  • Todos os clientes terão sua temperatura corporal mensurada; 
  • Os ônibus serão higienizados de forma mais rigorosa, com produtos indicados pela anvisa após cada viagem; 
  • Alguns pontos de embarque terão cabines de sanitização que higieniza uma pessoa por vez;
  • Motoristas das empresas parceiras pertencente ao grupo de risco não poderão viajar neste momento.

Confira todos os novos protocolos: Buser irá retomar operação de forma gradativa e com foco em segurança

Mais prático

Na Buser ninguém precisa ir até uma rodoviária comprar passagem de ônibus, enfrentar filas e guardar uma passagem impressa. É tudo digital e bem mais prático. Basta reservar sua viagem pelo site ou aplicativo e não precisa imprimir nada. Na hora do embarque é só portar um documento oficial com foto para viajar e o motorista encontrará a sua reserva. Ou seja, é só reservar e comparecer na hora do embarque.

Foco no cliente

Muitas empresas por aí se esquecem do porquê elas existem e para quem elas servem, mas nós não. Todos os esforços que nós promovemos para oferecer um transporte de qualidade, a preços justos e com conforto e segurança é pensando em mudar um contexto em que clientes nunca foram priorizados. 

Nós queremos que as pessoas tenham escolhas e que possam exigir qualidade e bom atendimento. Assim, trabalhamos, todos os dias, para continuarmos sendo a melhor opção.

E aí, tirou as suas dúvidas? Se você já precisa fazer viagens essenciais neste momento de retomada das atividades no Brasil, clique no botão abaixo e faça a sua reserva:

Se quiser saber mais sobre nós ou conferir dicas de viagem, destinos e conhecer histórias interessantes, acompanhe o Blog da Buser.

Dia dos Namorados: uma história de amor com trilha de violino em tempos de pandemia

Dia dos Namorados: uma história de amor com trilha de violino em tempos de pandemia

Neste Dia dos Namorados, conheça a história de Esther e Lucas, um casal de músicos que mal tinha começado seu relacionamento à distância e foi pego de surpresa pela quarentena

Imagine-se na seguinte situação: você se apaixona perdidamente, começa um namoro à distância, vocês se veem algumas vezes e aí… vem a quarentena. Foi exatamente isso o que aconteceu com Esther Campos, de 19 anos e Lucas Farias, de 21. Depois de oito meses conversando por mensagens na internet, o casal se conheceu, começou a namorar, mas com apenas um mês de namoro, eles foram impedidos de se reencontrar devido à pandemia de Covid-19. Afinal, Lucas mora em São Paulo e Esther no Rio de Janeiro. Mas como eles se conheceram? Como se apaixonaram? Como o relacionamento está sobrevivendo ao tempo e à distância? Neste post, vamos te contar esses e outros detalhes dessa história para lá de curiosa e da qual a Buser também faz parte.

Leita também: Buser irá retomar sua operação de forma gradativa e com foco em segurança

Dois opostos e um elo: a música

Esther e Lucas são duas pessoas que não imaginavam um dia se encontrar. Eles têm estilos de vida diferentes, personalidades muito distintas e, ainda por cima, sempre estiveram separados por 433 Km de distância. Porém, a internet prova todos os dias o quanto as distâncias e espaços podem não ser tão importantes assim. Tanto Lucas quanto Esther são violinistas e, após encontrar um vídeo antigo de Lucas tocando em um concurso da TV Cultura aos 15 anos, Esther se tornou uma fã. Automaticamente passou a acompanhar o trabalho do violinista.

“Fiquei tão impressionada que via esse vídeo direto. Ele me inspirava muito e acho que ele nem sabe disso, porque senão ele vai ficar se achando (risos). Um dos motivos de eu ter estudado violino e me esforçado para ser o que eu sou hoje foram alguns vídeos que encontrei no caminho e um desses vídeos era dele”, conta Esther.

A jovem assistiu ao vídeo de Lucas durante dois anos, até resolver contatá-lo no Instagram.

Esther e Lucas, casal de violistas que namora à distância e estará assim no Dia dos Namorados
Esther e Lucas em passeio no Rio de Janeiro, onde mora Esther (Foto: arquivo pessoal)

O início do namoro

Depois de aproximadamente oito meses conversando, Esther e Lucas finalmente se conheceram. O músico foi fazer um show com a orquestra em que toca no Rio de Janeiro e foi paixão à primeira vista. “Chegou o grande dia da gente se ver e eu não queria nada com ele, só amizade. Mas quando a gente se encontrou foi mágico para mim. Depois de todos esses oito meses foi a primeira vez que a gentes se viu. Eu sou meio de sentir as coisas, meio emocionada (risos) e eu nunca tinha conhecido uma pessoa como ele. O que fez essa junção foi o violino mesmo. Tudo aconteceu de uma forma muito intensa e quando a gente teve esse contato eu me apaixonei. Cinco dias depois fui para São Paulo, passei uma semana lá e já queria voltar namorando”, conta.

Lucas se considera uma pessoa bem mais reservada e introspectiva que Esther. Antes da carioca, ele não havia namorado ninguém sério e foi uma surpresa conhecer uma pessoa tão direta. “Eu nunca tinha namorado com alguém antes, nunca fui de ter algo sério. Ela meio que me jogou contra a parede: ou você fala que quer ficar sério ou eu vou embora. Foi meio pesado pra mim, mas consegui entender o lado dela. Depois de um mês, em fevereiro, ela já tinha me pedido em namoro, mas aí eu fui pro Rio, fiz uma surpresa e começamos a namorar oficialmente”, acrescenta Lucas.

Confira um dos vídeos do casal tocando violino juntos, porém separados pela distância:

E onde entra a Buser nessa história?

Bom, tomar a decisão de assumir um namoro já é algo difícil e se esse namoro for à distância, mais ainda. Segundo Lucas, na hora de decidir, de fato, eles precisaram colocar na ponta do lápis quantas vezes conseguiriam se ver e a Buser foi fundamental nesse processo. “Quando estávamos decidindo ficar sério e namorar, a Buser foi importante para tomar essa decisão, porque sabíamos do preço acessível e percebemos que poderíamos nos ver mais. Foi importante para decidir que esse namoro poderia dar certo. Se não fosse a Buser, a gente iria pensar duas vezes se iria valer a pena. A gente brinca que a Buser compõe um triângulo amoroso com a gente”.

Esther indo encontrar o Namorado de Buser (Dia dos Namorados)
Esther em uma de suas viagens de Buser entre Rio e São Paulo para ver o namorado (Foto: arquivo pessoal)

O relacionamento em tempos de pandemia

O casal se conheceu pessoalmente em janeiro. Em fevereiro, um dia antes do aniversário de Esther, oficializaram o namoro e menos de um mês depois aconteceu o inesperado: a quarentena.

“Está sendo muito difícil. Nunca imaginávamos que teríamos, primeiro, um relacionamento à distância. Para completar veio, de brinde, a pandemia. Quando começou a quarentena eu estava na casa dele e eu quase não consegui voltar pro Rio. Nem o nosso primeiro mês conseguimos comemorar juntos, mas estou disposta a passar por isso para estar com ele”, afirma Esther.

Lucas complementa essa percepção ressaltando a dificuldade que é se comunicar à distância e o quanto isso tem sido desafiador. “A gente só se falava por mensagem e áudio e isso é complicado porque, às vezes, a pessoa do outro lado entende tudo diferente do que se quer dizer na verdade. Percebemos que isso era um problema maior do que parecia e que as nossas brigas todas tinham relação com  isso. Passamos a nos falar todos os dias por vídeo ou ligação de telefone. Eu estou descobrindo agora como é viver um amor à distância. Eu nem tinha experiência de namoro sério e to aprendendo tudo com ela. No geral, não é fácil”, acrescenta o músico.

Planos pós-pandemia

Ser jovem em um mundo onde tudo é tão líquido ou é viver relações líquidas ou lutar o dobro por algo mais sólido. Esse casal certamente está na luta pela solidez, afinal, se apaixonar e ver seus planos desmoronarem e ainda persistirem é para poucos. Eles não tiveram tempo de conviver e entender o jeito um do outro, conhecer as manias, entre outras coisas. Segundo Esther, não terem sido permitidos viver esse início intenso de namoro que os casais costumam ter é a pior parte.

“Minha maior expectativa é começar de verdade, porque nosso primeiro mês foi antes da pandemia começar. Foram dias incríveis juntos. Sei que temos muito para viver e conhecer ainda. Eu estou muito animada para viver essa aventura ao lado dele”, declara.

Para Lucas, mais do que isso, a pandemia abriu os seus olhos para o que realmente importa. “Eu sei que as coisas não vão ser como eram antes. Eu vou viajar mais pro Rio pra passar mais tempo com ela, porque antes, como não tinha essa preocupação, eu pensava: eu vou pra lá, mas quando tiver tempo. Agora sei como é ruim ficar muito tempo longe e quando passar tudo isso, tudo que eu mais quero é viajar pro Rio mais vezes ficar com ela e ela vir mais pra cá. Não quero desperdiçar tempo”. 

Dia dos Namorados é só no dia 12?

O dia 12 de junho é, oficialmente, o Dia dos Namorados, mas qualquer dia pode ser o Dia dos Namorados. O amor não tem data e hora para acontecer e por que teria para ser comemorado? Vamos ressignificar essa data e transformar a dor da distância em ainda mais afeto! No dia 12 ou em qualquer outro dia, desejamos muito amor para todos. Esperamos que venham dias melhores em que possamos fazer parte de mais histórias de amor, como a de Lucas e Esther.

Gostou dessa história? Então conheça outras no Blog da Buser. Ah! Se tiver planejando a viagem de comemoração do Dia dos Namorados pós-pandemia, não deixe de ler também “Destinos para casais: os 7 lugares mais românticos do Brasil”.

Feliz Dia dos Namorados e até a próxima!

Buser irá retomar sua operação de forma gradativa e com foco em segurança

Buser irá retomar sua operação de forma gradativa e com foco em segurança

Plataforma voltará a oferecer grupos em trechos onde há flexibilização do isolamento social a partir do dia 26 de junho, mas com novos protocolos de segurança, higiene e distância entre passageiros

A partir do dia 26 de junho, a Buser irá retomar a sua operação intermediando viagens entre algumas cidades para atender quem realmente precisa viajar neste momento de pandemia. A volta das atividades será gradual, de acordo com a flexibilização do isolamento social em algumas regiões do país. Para garantir a segurança dos passageiros, a retomada ocorrerá com novos protocolos de segurança por parte das empresas transportadoras, como o reforço na higienização dos veículos, disponibilização de máscaras reserva e álcool 70%, maior distância entre os passageiros e medição de temperatura.

De acordo com Marcelo Abritta, CEO da Buser, a companhia entende que este é o momento de voltar, mas de forma prudente. 

“A Buser foi uma das primeiras empresas do Brasil a parar e a única envolvida com o setor rodoviário que fez isso com 100% da operação para conter a disseminação do vírus e por entender sua responsabilidade social. Agora, iremos abrir a oferta de viagens para alguns trechos, retomando a operação aos poucos e respeitando as restrições impostas por autoridades estaduais e municipais.” 

Preços baixos continuam, mas segurança é a prioridade da Buser.

“Estamos tomando medidas concretas para nos adequarmos a essa nova realidade, cobrando das transportadoras parceiras coisas como a disponibilização de álcool gel para os usuários, reforço na higienização dos veículos e maior distância e proteção entre passageiros.  Reitero que estamos voltando por aqueles que precisam fazer viagens essenciais. Continuaremos oferecendo acesso a alternativas com preços mais acessíveis, o que será muito importante para a população, tão machucada pela crise, neste momento de retomada”, afirma Abritta.

Protocolos de segurança

A Buser irá atender as medidas de segurança recomendadas pelos órgãos de saúde e nossas transportadoras parceiras irão adicionar novos protocolos para deixar as viagens ainda mais seguras durante a retomada operacional.

Máscaras

De acordo com as novas diretrizes de saúde, é obrigatório o uso de máscaras nas viagens para a segurança de todos. Sendo assim, reforçamos a necessidade de que nossos usuários levem suas próprias máscaras esterilizadas para viajar, com trocas de 3 em 3 horas. As transportadoras parceiras disponibilizarão máscaras reserva para quem não tiver e, assim, garantir a segurança de todos usuários e motoristas.

Álcool gel 70%

A Buser irá oferecer, também, álcool gel 70% de brinde para que os nossos usuários possam higienizar as mãos com segurança sempre que acharem necessário ao longo das viagens. Também haverá dispenser com álcool gel ativado pelo pé em alguns pontos de embarque. Na entrada dos ônibus e dos banheiros, as empresas parceiras também irão alocar outros dispensers com álcool gel.

Medição de temperatura

Todos os usuários terão suas temperaturas medidas por termômetros infravermelho. Passageiros com temperatura até 37,8º poderão embarcar.

Maior distância entre passageiros 

Para garantir que os usuários não viagem próximos uns dos outros, ocuparemos apenas as poltronas da janela e limitaremos as vagas disponíveis para reserva no ônibus. Assim, iremos garantir mais espaço entre as pessoas, como recomendam os órgãos mundiais de saúde.

Cabines de sanitização

Em alguns pontos de embarque estará disponível uma cabine de sanitização individual que higieniza as pessoas que entram nela (uma por vez). Um sensor detecta a presença da pessoa e aciona a pulverização que dura 4 segundos. Isso tornará a viagem de todos ainda mais segura.

Reforço na limpeza

As transportadoras parceiras farão mudanças no processo de higienização dos ônibus após cada viagem realizada, incluindo estofados e encosto de cabeça, utilizando produtos aprovados e indicados pela Anvisa. Estamos acompanhando constantemente as diretrizes dos órgãos de saúde para a melhoria do processo a qualquer momento.

Marcações na fila de embarque

Para garantir organização e segurança na hora do embarque, haverá uma marcação no chão de alguns pontos de embarque com maior fluxo de pessoas. A marcação deverá ser respeitada por todos os usuários para que não haja proximidade entre as pessoas e aglomeração.

Motoristas fora da faixa de risco

Apenas motoristas fora do grupo de risco (idade ou doenças prévias) estão autorizados a fazer viagens intermediadas pela plataforma. 

Mas, Buser, além da higienização, o que mudou?

Bom, tudo mudou! O mundo não é mais o mesmo depois dessa pandemia e os nossos protocolos evoluíram. Além das profundas mudanças nos processos de higiene e segurança, não iremos retomar de imediato a oferta de todo e qualquer tipo de rota. O que isso quer dizer? Quer dizer que estamos conscientes da gravidade da Covid-19 e que a nossa prioridade será sempre garantir a segurança de todos. 

Estamos mantendo um alinhamento constante com as diretrizes municipais, estaduais, federais e respeitando todas as restrições necessárias. Sendo assim, não podemos garantir que todos farão a viagem que precisam em um primeiro momento.

Além disso, recomendamos que nossos usuários só viagem se isso for mesmo necessário. A retomada das operações tem como objetivo atender parte dos nossos clientes que precisam viajar de qualquer maneira e ficaram sem atendimento durante o período de isolamento. 

Ainda em dúvida?

Se a sua dúvida for sobre como se proteger melhor ao viajar de ônibus e como se manter seguro, você pode encontrar mais informações na página oficial da OMS (OPAS Brasil) e da Anvisa

Se a sua dúvida for sobre os direitos e deveres dos usuários Buser neste período de retomada. Acesse o nosso FAQ com perguntas e respostas frequentes.

Além disso, acompanhe o nosso site e blog e fique atualizado em relação aos ações da Buser sobre a Covid-19.

Dias melhores virão e quando isso acontecer estaremos prontos para cruzar o país. Enquanto não chegamos lá, se precisar mesmo viajar e com segurança, conte conosco! 

Santa Maria Turismo: conheça a história de uma das primeiras empresas parceiras da Buser

Santa Maria Turismo: conheça a história de uma das primeiras empresas parceiras da Buser

Um início difícil, recomeços e superação. Saiba como Ricardo e Louyse Sortica recomeçaram do zero e fundaram a Santa Maria Turismo, uma das primeiras empresas parceiras da Buser

Começar qualquer coisa na vida é muito difícil e recomeçar é ainda pior. E quando são muitos recomeços? Pois são os recomeços que marcam a trajetória da Santa Maria Turismo, uma das primeiras empresas a serem parceiras da Buser.

Conheça a história de garra, superação e determinação de um casal que só queria trabalhar com ônibus e ter sucesso nisso, mas que conquistou muito mais.

Leia também: Cansado de lives? Conheça os melhores podcasts sobre viagem para acompanhar durante a quarentena

O começo de tudo

Para contar essa história é preciso ir, de fato, para o início dela. O ano é 1998 e Ricardo Sortica, filho de um professor de educação física e uma professora de matemática já trabalhava na empresa de ônibus na qual o seu pai e tio eram sócios. Ele tinha apenas 13 anos quando o pai resolveu vender sua parte da empresa para o tio, que partiu rumo a Campo Grande – MS. Ricardo ainda era um adolescente, mas cheio de certezas profissionais. Ele foi junto com o tio trabalhar na empresa, afinal, já sabia que os ônibus eram a sua paixão.

“Na época, meu pai ficou triste porque eu era o xodó dele e eu vim embora com o meu tio”, conta. 

Ricardo seguiu na empresa e em Campo Grande, até que, aos 18 anos, conheceu a pessoa que mudaria a sua vida: Louyse Sortica. Logo eles começaram a namorar e, depois, Louyse também foi trabalhar na empresa de ônibus. Quando Ricardo tinha entre 20 e 21 anos casou-se com Louyse e a sua trajetória profissional sofreu uma grande mudança.

“Quando resolvemos nos casar, o padrasto da Louyse, que era inspetor da PRF (Polícia Rodoviária Federal) em Nova Alvorada do Sul, cidade de interior do Mato Grosso do Sul, sugeriu que eu comprasse um ônibus pequeno para colocar em uma usina de lá. Ele disse que conhecia o gerente e que poderia me apresentar. Deu certo! Assim, comprei meu primeiro ônibus urbano para carregar trabalhadores da usina”, declara Ricardo. 

Ricardo Sortica da Santa Maria Turismo em frente ao seu primeiro ônibus
Na foto, Ricardo Sortica mostra o seu primeiro ônibus (arquivo pessoal)

Uma nova etapa

O início do trabalho na usina foi cansativo. Ricardo era o dono da empresa, o motorista, o mecânico, o responsável pela limpeza do veículo, ou seja, ele era 4 em 1. Já Louyse, continuava trabalhando na empresa de ônibus em Campo Grande e percorria 200km por dia para ir e voltar ao trabalho. 

“Eu acordava às 3h para fazer marmita para o Ricardo, porque ele passava o dia na roça. Ele me deixava na rodoviária de Nova Alvorada do Sul, eu pegava o ônibus 4h e ia para Campo Grande todos os dias. A nossa rotina era essa. Eu voltava às 17h, pegava o ônibus de Campo Grande para Nova Alvorada e, no outro dia, tudo de novo. Foi assim até eu ficar grávida da minha primeira filha”, conta Louyse.

Entre usinas, multinacionais e contratos ganhos e perdidos, a empresa cresceu muito. De um ônibus e nenhum funcionário eles chegaram a ter uma frota de 60 veículos e 180 funcionários. “Fomos aumentando a frota, renovando carros e chegamos a atuar em três usinas. Ao todo, trabalhamos nesse ramo por 15 anos. No fim, perdemos o contrato. Na verdade perdemos tudo. Tivemos que vender o que podíamos e mandar os funcionários embora. Foi muito duro! Outra empresa ganhou a licitação e tivemos que pensar em como recomeçar”, pontua Louyse.

A entrada no ramo do turismo

Em 2017, Ricardo comprou um ônibus de turismo. Ele voltou para Campo Grande e se tornou sócio do seu primo Edgard. “A gente fazia Corumbá (MS) – SP carregando pessoas que iam fazer compras ou procurar emprego na capital paulista”, diz Ricardo.

Nesta mesma época, Louyse estava infeliz com o trabalho em ônibus e tinha medo de que a empresa crescesse e quebrasse novamente. Entretanto, segundo ela, o período difícil trouxe muitos aprendizados valiosos que a fizeram mudar a forma de enxergar a vida. “Eu fiquei desmotivada. A gente diminuiu bastante o nosso padrão de vida, mas percebi que a gente não precisava de muito. Na verdade, o serviço que a gente tinha na usina foi sempre algo muito desgastante, estressante e de pouco retorno. Então, tudo isso serviu de lição pra gente ver que foram muitos anos trabalhando de ilusão. A gente não tinha lucro com a usina, mas tinha medo de perder aquilo e não conseguir mais nada. Estávamos errados”, esclarece. 

Uma luz no fim do túnel

Neste período em que a empresa fazia fretamento de Corumbá para São paulo, as finanças não iam nada bem. Eles estavam enfrentando muitas dificuldades para tornar a empresa sustentável e pensando em como recomeçar (de novo). Afinal, outra empresa estava fazendo o mesmo serviço por um valor mais baixo, havia dívidas e faltava dinheiro para continuar, até que receberam a proposta de se tornarem uma das primeiras empresas parceiras da Buser.

“Um dia cheguei tarde da noite em Campo Grande e meu primo falou que tinha aparecido um negócio com uma startup que estava começando. Ele contou que tinha se cadastrado há muito tempo e que havia conversado com o Marcelo (um dos fundadores da empresa). Acreditava ser uma proposta bacana pra ir com o nosso ônibus leito Double Decker e fazer um teste de São Paulo para BH. Resolvemos arriscar. Estávamos sem dinheiro até para o diesel, mas resolvi encarar. Eram as primeiras viagens da Buser e a gente não tinha ideia de como seria”, conta. 

Primeiros ônibus Buser de Ricardo Sortica
Este foi o primeiro ônibus de Ricardo Sortica a trabalhar com a Buser (arquivo pessoal)

O início da parceria com a Buser

Quando resolveram aceitar a proposta da plataforma, Louyse acreditava que isso seria uma loucura. Afinal, depois de perderem tudo, o marido ainda pegou emprestado uma certa quantia em dinheiro da poupança da filha para se manter em São Paulo no período das primeiras viagens com a Buser.  “Eu tinha medo, porque tínhamos perdido o serviço que era a nossa segurança. Com 30 dias a gente perdeu tudo. Até a casa que a gente tinha perdermos para pagar conta e, mesmo assim, ficou muita coisa para trás. Não teve o que fazer. É difícil recomeçar do zero e recomeçamos totalmente do nada e com apenas um ônibus. Mas o Sortica foi para São Paulo, ficou lá 60 dias e encarou o desafio”.

Depois das primeiras viagens, os primos separaram as empresas — mas continuam parceiros nos negócios. Ricardo começou com um ônibus e muita vontade de acertar.

“Ele lavava o ônibus, cuidava dele e eu fazia a parte administrativa aqui de casa mesmo. Então, a gente foi crescendo, comprou outro ônibus, depois outro, e fomos nos adaptando e vendo do que a gente dava conta. É bacana isso, porque começou com a gente, apenas”, conta Louyse.

Uma história de sucesso

Do início até hoje muitas águas rolaram, ou melhor, muito chão foi percorrido por Ricardo e Louyse. A parceria com a Buser está completando três anos. Santa Maria Turismo e Buser nasceram juntas e é até difícil separar a história da plataforma das histórias dessas primeiras empresas parceiras. E assim como a Buser cresceu de lá para cá, os parceiros também evoluíram. 

“Tudo mudou. Hoje, um dos meus filhos já está em escola particular e a gente mora em um lugar bom. Nós conseguimos ter uma vida melhor. Hoje temos seis ônibus, 15 funcionários e fazemos viagens para BH, Rio e Goiânia”, contam Louyse e Sortica juntos.

Foto de um õnibus Buser da Santa Maria Turismo na garagem
Hoje, depois de muita batalha, a empresa cresceu e os ônibus da frota de Ricardo são como o da foto (arquivo pessoal)

Próximos passos [e sonhos]

E os sonhos continuam? Depois de tanta história e tantos altos e baixos, será que os eles persistem? Segundo eles sim, só que diferentes agora.

“Depois de tudo o que passamos as prioridades mudaram. Nosso foco é continuar prestando um serviço de qualidade, com uma frota nova e uma estrutura bem organizada. O que a Buser fez com a gente, a transformação que ela promoveu nos fez acreditar que podemos sonhar de novo e que a gente pode realizar esses sonhos. Eu tinha perdido isso. Sou grata pelo Ricardo ter acreditado junto com o primo dele de que isso daria certo”, esclarece Louyse.

A meta do casal, agora, é chegar a 10 ônibus. Eles não querem mais manter uma estrutura muito grande, pois preferem um negócio mais “pé no chão”, em que eles consigam ter controle e manter a qualidade.

Louyse e Sortica hoje são gratos pelo que conquistaram e deixam uma mensagem que esperam que seja o legado deles. “O mais importante de tudo é a gente trabalhar com amor naquilo que a gente está fazendo, com pensamento positivo e sempre com os pés no chão. Todos os dias você tem a chance de fazer o dia melhor”, declara o casal.


Quer conhecer outras histórias de parceiros, bem como saber mais sobre a Buser? Então não deixe de acompanhar o nosso blog. Até a próxima!

Buser adianta 2 mi às empresas parceiras durante a quarentena

Buser adianta 2 mi às empresas parceiras durante a quarentena

Estratégia quer garantir sustentabilidade das empresas de fretamento que operam pela plataforma e que estão com operações paralisadas

Para auxiliar as empresas de fretamento durante a quarentena devido a pandemia de Covid-19, a Buser ofereceu um adiantamento do pagamento das empresas parceiras sem taxas ou juros. Vale lembrar que a Buser paralisou totalmente suas operações desde o meio do mês de março para evitar o risco de contaminação entre seus usuários e a população em geral.

“A Buser possui um compromisso com a sociedade e a saúde das pessoas. Fomos a primeira empresa da área a parar as operações para evitar o risco de contaminação. De forma constante, avaliamos nossos planos de retomada e o faremos quando entendermos que temos um ambiente de segurança para nossos clientes, parceiros e colaboradores”, explica Marcelo Abritta, CEO da Buser.

Leia também: Presidente da Buser se pronuncia sobre Covid-19

O auxílio

A ajuda financeira concedida pela Buser serve de suporte aos empresários parceiros durante o período de suspensão das viagens. Enquanto não retornam às operações, eles recebem uma antecipação financeira para se prepararem para a retomada e manterem suas empresas sustentáveis. Para este fim, a Buser destinou 2 milhões de reais do seu caixa. 

Este suporte tem como objetivo incentivar os empresários parceiros a não demitirem seus motoristas, bem como funcionários que trabalham nas áreas administrativas, de serviços e manutenção. A expectativa é que a ação impacte direta e indiretamente mais de 300 famílias que fazem parte dos laços destes colaboradores.

Até agora, mais de 50 empresas de ônibus foram beneficiadas com o valor do primeiro lote de pagamentos e, nos próximos dias, mais adiantamentos serão feitos, priorizados de acordo com a necessidade. 

Além de proporcionar esse respaldo financeiro, a Buser não vai cobrar juros sobre o valor antecipado. Com o retorno das operações e conforme as viagens acontecerem, o valor será abatido de forma parcelada no decorrer dos meses, sem taxas ou encargos.

Saiba de todas as novidades da Buser acompanhando o nosso Blog.

Buser investe em novas tecnologias de segurança nas frotas parceiras

Buser investe em novas tecnologias de segurança nas frotas parceiras

Novas tecnologias de segurança como câmeras de fadiga, telemetria e sensores de cinto de segurança estão sendo implementadas nas frotas das empresas que trabalham com a plataforma

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, 90% dos acidentes de trânsito são causados por falhas humanas. Ainda segundo a mesma organização, as principais causas de acidente são, respectivamente:

  • excesso de velocidade;
  • associação de bebida alcoólica e direção;
  • falta de uso de capacete, cinto de segurança e equipamento de retenção para crianças.

Com o objetivo de proporcionar mais segurança na condução dos veículos e para os passageiros, a Buser tem promovido investimentos em novas tecnologias de segurança para as empresas parceiras, como câmeras de fadiga, sensores de cinto de segurança e telemetria.“Trabalhamos com estratégias de segurança preventiva para evitarmos qualquer tipo de acidente e, para isso, usamos algumas tecnologias”, declara o head de segurança e operações da Buser Brasil, Rodrigo Souza.

Entenda melhor como funcionam tais tecnologias e que resultados elas trazem. Continue a leitura!

Câmera de fadiga

Uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (ABRAMET) em parceria com a Academia Brasileira de Neurologia e o Conselho Regional de Medicina indicou que cerca de 42% dos acidentes de trânsito estão relacionados ao sono. Assim, o cansaço é uma das principais causas de morte nas rodovias brasileiras.

Para evitar expor seus usuários a riscos desnecessários causados por sono, a Buser está implantando câmeras de fadiga em toda a frota. Tal câmera monitora os motoristas e traduz em parâmetros o nível de fadiga em que eles se encontram. 

Esses dados são mostrados de forma visual em gráficos que mudam de cor, entre verde, amarelo e vermelho. Sendo verde o motorista que apresenta níveis normais, amarelo representa que ele está em estado de fadiga e vermelho é um alerta de que o profissional não pode dirigir. Os gráficos são monitorados por uma central que funciona 24h por dia.

“Se o motorista entra em um nível de fadiga alto, o sistema fica vermelho e a equipe entra em contato com ele. Se for necessário, pode-se até enviar outro motorista para substituí-lo, mas a ideia é que eles não fiquem cansados e que não precisemos chegar a esse ponto”, declara Rodrigo Souza.

Ainda em 2020, 100% da frota das empresas precisará terá câmera de fadiga instalada para que sigam sendo parceiras da Buser.

Acompanhe as novidades do blog da Buser AQUI

Telemetria

Outra estratégia que tem sido utilizada pela Buser é a Telemetria. O sistema controla a velocidade dos ônibus e gera dados em tempo real, que também ficam plotados em gráficos. Assim, equipes de segurança podem fazer a gestão 24h por dia desses dados e dos motoristas junto às empresas parceiras. 

Essa gestão constante é um grande diferencial da Buser em relação ao mercado. “Monitoramos os motoristas a fim de diminuir a probabilidade de acidentes fazendo com que eles dirijam de forma mais prudente e segura. Para isso, atuamos com medidas corretivas para motoristas que dirigirem acima da velocidade permitida. Se algo fugir do planejado, veremos no sistema”, esclarece Rodrigo. 

Caso o motorista ultrapasse a velocidade de 90 km/h é ativado um aviso sonoro no veículo a fim de alertar o profissional. Através do sistema também é possível saber se um ônibus quebrou, se chegou ou saiu com atraso ou se passou do tempo de parada. 

Cinto de segurança com alerta

Uma pesquisa da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) feita no fim de 2019 concluiu que seis em cada dez passageiros de ônibus intermunicipais não usam o cinto de segurança.

Apesar de ser altamente difundida a informação de que o uso do cinto reduz os riscos de morte e de lesões graves, os passageiros resistem a usá-lo.

Com o objetivo de fazer com que seus clientes usem a proteção, a Buser está investindo, na frota de suas empresas parceiras, em uma tecnologia desenvolvida internamente que emite alertas sonoros e visuais caso o passageiro não esteja com o cinto. “Caso o usuário se sente no assento e não afivele o cinto em até um minuto e meio, vai soar um alarme sonoro e visual, com uma  luz vermelha. Assim, a equipe e até outros passageiros podem intervir. Queremos garantir que, caso ocorra uma fatalidade, todos estejam usando o cinto”, acrescenta Rodrigo.

Segurança: uma prioridade

Em cada ônibus existem, pelo menos, 40 vidas. Todos os dias, milhares de pessoas são transportadas com a intermediação da Buser. Assim, os investimentos em novas tecnologias de segurança estão só começando, pois a busca pela excelência vai continuar. “A segurança para a Buser é um valor e vai estar acima de qualquer outra coisa”, acrescenta o head de segurança e operações da Buser.

Quer ser nosso parceiro? Então entre em contato através do e-mail: savio.carissimo@buser.com.br. Quer viajar com com mais segurança e qualidade? Então acesse o nosso site AQUI e veja os nossos grupos.

Até logo!

Buser vai oferecer viagens de ida grátis para os usuários depois da quarentena

Buser vai oferecer viagens de ida grátis para os usuários depois da quarentena

Para promover reencontros entre as pessoas que se amam e estão distantes, empresa vai oferecer viagens grátis após o período de quarentena. Entenda!

A quarentena não tem sido fácil para ninguém, afinal, manter a distância de quem a gente ama não é algo comum ou prazeroso. Todo mundo está com saudade do amor, do pai, da mãe, do crush, da vó, cachorro, amiga… por isso a Buser resolveu dar uma força pra você!

Com a campanha “Saudade de Você” a Buser quer garantir que você reveja sua saudade dessa quarentena. Para isso, vamos oferecer viagens de ida grátis. Exatamente o que você leu: uma viagem for free, na faixa, R$0! A ida, tá?

Ah, mas quando vou poder viajar?

Não podemos afirmar quando. Em função da COVID-19, as nossas operações estão congeladas. A gente ainda não sabe quando as viagens vão voltar a acontecer, mas que tal já garantir o seu passe livre para matar a saudade de quem você ama? 

É simples! Para garantir, basta acessar o site www.buser.com.br e nos contar de onde para onde você quer ir e marcar três amigos. É rápido, mas as viagens grátis são limitadas. 🙂

Isso quer dizer que você tem que garantir a sua viagem o quanto antes.

E o regulamento?

Assim que tivermos uma previsão de retorno das operações da Buser enviaremos um e-mail ou SMS para todos os participantes da promoção com as instruções para que você faça a sua reserva.

Mas vai um spoiler… quem já viajou com a ida grátis na promoção Boomerang pode viajar gratuitamente de novo com essa.

Enquanto isso…

Nós da Buser também estamos com saudade de você e torcendo para que tudo isso passe logo, mas enquanto enfrentamos esse período tão difícil de quarentena queremos reforçar a importância de que você #FiqueEmCasa e se mantenha saudável e seguro, assim como os seus familiares. Logo logo estaremos de volta com muitas rotas para serem exploradas por esse brasilzão.

Até breve!

Leia também: Presidente da Buser se pronuncia sobre COVID -19

Cai decisão de sindicato de empresas que buscavam proibir a Buser de funcionar em SC

Cai decisão de sindicato de empresas que buscavam proibir a Buser de funcionar em SC

Buser conquista mais uma vitória na justiça para oferecer uma alternativa de transporte interurbano com qualidade e preços justos em Santa Catarina. Entenda!

O Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina, em decisão do Desembargador Francisco José Rodrigues de Oliveira Neto, no último dia 26 de março suspendeu os efeitos de uma decisão contrária à Buser em processo que questiona a legalidade dos serviços prestados pela empresa.

A ação foi movida pelo Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado de Santa Catarina (SETPESC) para impedir que a Buser prestasse serviços do estado, alegando que a empresa faria transporte clandestino e ofereceria uma concorrência desleal.

Leia também: Buser ganha ação movida por empresa de transporte de passageiros, em São Paulo

Reconhecimento da legalidade

O desembargador entendeu que, de fato, a Buser não é uma empresa de transportes e limita-se a conectar as pessoas interessadas em fazerem um mesmo trajeto e companhias de fretamento.

“Portanto, o contrato social e o modus operandi descrito na inicial, o qual está exposto no site, corroboram com a tese lançada pela recorrente no sentido de que é uma plataforma tecnológica que permite conectar, de um lado, grupos de pessoas interessadas em viajar para um destino em comum e, de outro, um fornecedor de transporte privado na modalidade fretamento eventual – atividade bem distante daquela exercida pelas empresas responsáveis pelo transporte coletivo público”, pontua o magistrado em um trecho da sentença.

Além disso, o Desembargador julgou que o fato de não haver leis específicas sobre a forma de contratação dos serviços da Buser não torna a atuação da empresa ilegal.

“Portanto, o fato de não haver lei específica regulamentadora da atividade não faz com que, por este único motivo, ela seja considerada ilegal.” O magistrado ainda acrescentou que que não há ilegalidade uma vez que  “as viagens são realizadas mediante autorização do poder público”.

O Desembargador pontuou, também, que não há concorrência desleal, uma vez  que os serviços oferecidos pela Buser não fizeram com que houvesse uma queda na demanda das empresas tradicionais havendo prejuízo das mesmas. 

A decisão ainda destaca a diferença das viagens viabilizadas pela Buser e suas parceiras em relação às realizadas pelas empresas convencionais.

“Outra diferença existente entre as viagens realizadas pela Buser das realizadas pelas concessionárias de serviço de transporte público é que as de cunho privado não possuem a garantia da prestação, pois só ocorrem com quórum mínimo de interessados, ou seja, o risco de a viagem ocorrer ou não fica a cargo do contratante (…) não havendo a cobrança de passagem individual, mas apenas o rateio do custo envolvido na viagem contratada”. 

Todos contra o retrocesso

Essa foi mais uma vitória da Buser contra o retrocesso. Seguiremos firmes e fortes na busca pela democratização do transporte interurbano brasileiro e para oferecer um serviço com qualidade e preço justo em todo o Brasil.

Vale lembrar que as nossas operações estão paralisadas em virtude da COVID-19, mas assim que voltarmos a atuar, as viagens para o estado de Santa Catarina também voltarão a acontecer.

Acompanhe o Blog e saiba de todas as novidades da Buser!